rpgvale
1599924783602205
Loading...

A luta sob as sombras, a jornada de Rhendal chega ao último conto

Pessoal, a saga do nosso bárbaro chegou ao final. Acompanhem este episódio dramático e descubram a provável origem da possessão que Rhenda...

Contos-Heróicos_thumb_thumb_thumb

Pessoal, a saga do nosso bárbaro chegou ao final. Acompanhem este episódio dramático e descubram a provável origem da possessão que Rhendal sofreu nos últimos episódios do RPGcast e encontrem outro personagem que fez uma participação especial por aqui.

Final – A sombra de Raah’ckra 

Darkwolf e Rhendal viveram algumas aventuras de tabernas por um tempo, enfrentando bêbados e tendo que se desviar de loucos que não tinham gostado da música do bardo. Durante todo esse período de alguns meses, a fúria devastadora do bárbaro não surgiu novamente, da mesma força Darkwolf não sentiu nenhum efeito da energia que seu corpo tinha assimilado, por tudo isso o bárbaro resolveu voltar para a casa.
O sol anunciava o meio dia, algumas aves circulavam o céu em torno das montanhas aonde bárbaros erguiam o fruto de suas caçadas.  A vida continuava para eles, mulheres e outras crianças treinando com Tio Tuta, que por sua vez coçava sua barba e os observava com cautela, tentando descobrir qual estilo se luta seria mais adequado a cada um.


No portão da tribo, que sempre ficava aberto, alguns guardas observavam a figura austera de um jovem que provavelmente tinha amadurecido sobre as duras penas da floresta. Com algumas marcas de arranhões no corpo e um machado sem pérola no punho.


_ Rhendal? Rhe... vejam só, é Rhendal, ele retornou! - Saiu gritando de sua posição o guerreiro.


Seus pais vieram recebe-lo e o velho xamã surgiu com interrogatórios sobre o paradeiro dele e dos seus companheiros. Todos ficaram chocados com a história, claro... o jovem bárbaro ocultou muitas coisas, como o fato dele acreditar ter matado seus amigos.  Todos o observaram com receio, dúvidas e desconfianças e por assim foi, durante alguns anos.

concept_art_5__bonfire_by_haryarti-d4i0m27


Itlurian, a chegada do segundo sol.
Os antigos diziam que os deuses andavam no mundo dos homens, com formas chamadas de aurinthats, mas estes desapareceram e agora se encontram nas estrelas. Muito poucas vezes eles voltam e podem ser vistos por todos e em todos lugares.  Era assim no Itlurian, o mensageiro do deus da luz, que surgia a cada 10 anos como um grande astro do tamanho do sol. Saia de trás da luz pela madrugada e ficava no céu até a próxima noite.
A maioria dos povos místicos faziam oferendas e coisas do tipo, por mais que bárbaros evitassem a relação com os deuses eles não ignoravam esse acontecimento.  Sempre faziam grandes fogueiras e agitavam seus tambores enquanto os mais velhos contavam histórias e seu Xamã iniciava um rito para absorver as energias e fazer previsões do futuro.  Todos estavam ansiosos, até Rhendal, que a essa altura ainda era visto como misterioso por todos, menos por uma jovem de cabelos ruivos, filha do Tuta.  Apesar disso, todos guerreiros eram convocados, eles ficavam a frente da fogueira simbolizando a força de guerra da tribo.


O fogo já estava alto, quando todos apareceram, as crianças quase desmaiavam de sono e as mulheres terminavam de se pintar.  Rhendal nunca tinha participado de algo assim e estava vislumbrado com a sensação de poder que pairava pelo local.
Entre os cânticos, tambores e labaredas sentia seu coração pulsar fortemente. O velho xamã parecia assustado, fumaças escuras emergiam do seu fogo. Elas encobriram todo o local formando nuvens espessas e sombrias, ele ordenou que não se assustassem e nem saíssem do local. Se alguma força maligna houvesse ali que eles lutariam juntos.  Os guerreiros pegaram suas armas e observavam enquanto luzes de trovões surgiam entre a fumaça, revelando formas  tão malignas quanto obscenas para a mente humana.

_ Não pode ser, são as mesmas sombras que me aprisionaram no lago, aquele dia! - Pensou Rhendal.

Ele temeu... mas por pouco tempo, pois seu medo veio se transformando em ira. Dessa vez do fogo uma terrível sombra tomou forma e se dirigiu em direção ao bárbaro. Todos viram o que seria a forma de Raah’ckra, o terror que estava adormecido.
Apesar de tudo o destino parecia ter escondido outras surpresas para aquela noite nas montanhas. Um ser alado surgiu por entre as nuvens negras.  Carregando um martelo de guerra e desferindo um golpe na direção de Rhendal.

_ Apareça besta, não vou deixar que fuja. - Gritou o guerreiro com asas.

Os guerreiros bárbaros não sabiam o que fazer, atacar ou defender o jovem. A escolha ficou fácil assim que ele com um grito explodiu em ira deferindo golpes que decepavam muitos braços ao seu redor.  Parecia um exército de um homem e o único que conseguia segura-lo era o ser que surgiu do céu.
Eles travaram uma batalha de horas, Rhendal parecia não cansar e a cada golpe que recebia um berro sombrio era ouvido.  O Xamã havia percebido o que estava acontecendo e correu em direção a batalha, balbuciando palavras em um idioma antigo que apenas os mais sábios conheciam. Ele arrancou seu colar de dentes de javali e foi rasgando seu braço até o sangue começar a escorrer.
Quando a primeira gota tocou o chão, o bárbaro e o que estava possuindo sua mente congelaram. Ao se aproximar, totalmente ensanguentado. Começou a desenhar runas no peito de Rhendal e na sua cabeça.

Seu rosto cansado e marcado do tempo só teve forças para as últimas palavras:
_ Chegou a hora!

O fogo todos os dois e como se lavasse a alma dos que estavam ali girou em forma de funil em direção ao céu, levando as espessas nuvens embora, assim como a vida do velho xamã.
Rhendal estava acordando tranquilo, mas foi julgado pelos olhos de tantos bravos ao seu redor que nem pensou em mais nada, a não ser desaparecer daquele que outrora foi seu lar.  O guerreiro alado o acompanhou.

_ Acalme-se. Não era você bárbaro... uma força antiga e maligna o perturbava. Venha comigo, conheço um lugar aonde guerreiros sempre são bem vindos. Eles me mandaram em uma missão para caçar este mal, o que me levou até você... já não sinto nenhuma presença tenebrosa, está livres.

_ Não tenho nada mais a perder. Obrigado pela ajuda, vou contigo.

_ Tudo bem, prevejo uma boa parceria esta. Killdragon o cavaleiro e... e, qual seu nome mesmo?

_Sou Rhendal o Bárbaro. 

 

E assim o nosso bárbaro começou as suas aventuras pelo universo do RPGCast - http://www.rpgvale.com.br/2012/08/rpgcast-01-2-temporada-os-guerreiros-do.html

Orpgista 6304960216381433119

Postar um comentário

Página inicial item

Entre pra Guilda

Mais lidos da semana

Receba nossos corvos