rpgvale
1599924783602205
Loading...

Criação de personagem, passo a passo

Tá aí um assunto que apesar de vários sistemas discutirem e orientarem ainda é um problema para na...

dicas-de-mestre---personagens-passo-a-passo-rpg
Tá aí um assunto que apesar de vários sistemas discutirem e orientarem ainda é um problema para narradores e players.  Hoje mesmo fiz uma breve pesquisa no twitter e em nossa fanpage para entender como os roleplayers estão desenvolvendo os seus. O que acontece é que personagens quase sempre são vistos como um processo da mecânica do jogo e não é bem por aí. Eles não são apenas classes, raças e poderes… existe uma essência e é disto que vamos falar, criar a base para todo o resto (background, ficha e etc) com dicas que se aplicam a qualquer jogo em qualquer cenário.

A ficha é a representação do seu personagem e não a base dele!

Muitos jogadores começam planejando os poderes antes de se aprofundar na história e nas peculiaridades do seu personagem. Isso é um completo erro. É o processo inverso do RPG. Ok, funciona em partidas rápidas e quando não se tem a pretensão de seguir uma campanha, mas se quiser fazer parte de uma jornada épica precisará muito mais do que dados de poder de fogo.
O Role Playing Game é um jogo aonde a diversão está diretamente ligado aos seus objetivos individuais na partida, então há a possibilidade de construir um personagem totalmente raso e ele funcionar no mundo criado pelo mestre, mas muitas vezes um personagem raso perde totalmente o sentido de sua existência entre o grupo e o ambiente de jogo. Se o narrador fez a parte dele (construir o universo e descrever o cenário) então você precisa trabalhar um pouquinho também, entendendo o mundo aonde seu novo ser existirá, isso fará a diferença para conectar a história do seu personagem a aquele mundo.

Encontrando sua essência

essencia-de-um-personagem
A imagem acima ilustra um esquema que eu chamo de essência do personagem, ela representa a profundidade com a qual você descreve as características dele. O que vai definir se você está jogando com um herói, vilão ou se sua jornada será épica ao invés de uma sucessão de combates que vão te encher de XP, mas nenhuma boa história – como sabemos, a única coisa que fica de uma partida é uma boa história. 
Agora esse sistema de criação possibilita escolher até que ponto pretende ir para o seu jogo. Aventuras rápidas podem ficar (por exemplo) no segundo nível de profundidade que são as motivações enquanto algumas campanhas podem ser desenvolvidas com base nos conflitos dos personagens.
1 Quem é seu personagem?
Descreva em poucas linhas uma definição para ele. Pode incluir sua classe, profissão e aonde nasceu ou onde mora, assim como o que ele faz atualmente ou em toda sua vida. Ex: “Um bárbaro, nascido nas montanhas prateadas que vive da caça para alimentar sua família”.
É bem simples, a descrição aqui é bem primária, ainda não estamos desenvolvendo o seu background (tarefa que vai até ficar mais fácil depois desse processo).

2 Quais são suas motivações?
Isso significa o que move suas ações. Algumas classes seguem códigos de honra e isso facilita a descrição, porém, mesmo personagens sem código tem motivações humanas. Ex: Ele procura proteger sua família de todas os perigos do mundo selvagem ou ele procura um meio de livrar o mundo do mal gerado pelas energias das trevas.
Como podem ver, motivações também estão ligadas aos desejos ou buscas e isso pode ser por poder, vingança, benevolência ou tantas outras características que puderem servir para base.

3 Desenvolva seus conflitos
Porque todo bom personagem tem um bom conflito, mas acalme-se, não estou dizendo para pegar alguma desvantagem ou aprimoramento negativo. Apenas que você deve pensar em uma barreira que seu personagem deve atravessar e conquistar sua motivação. Ex: Para salvar sua família o bárbaro precisa muitas vezes se distanciar dela, já que seu passado como assassino atrai dezenas de inimigos em busca de vingança.
Heroes_of_the_Fallen_Lands_by_RalphHorsley
4 Encontre aliados
Afinal, ninguém está sozinho no mundo… mesmo que esteja haverá no mínimo uma bola chamada Wilson, da qual seu personagem será capaz de produzir diálogos dramáticos e extensos. Tudo bem, nem tanto, mas alguns animais por exemplo podem aparecer para quem for Ranger ou druidas. Enquanto guerreiros podem ter irmãos de armas, piratas tem amigos de taberna e vilões tem escravos. Nesse ponto apenas fale o básico sobre eles. Ex: O bárbaro conhece alguns chefes de tribos antigas, da época que seu pai era um Khal respeitado. Além disso, na infância costumava caçar com Djhogo, que hoje vive nas montanhas.

5 Descreva as peculiaridades
Estou falando dos detalhes de sua personalidade que vão enriquecer a interpretação do seu personagem. Gestos, manias e gostos pessoais como preferências por algum tipo de vestimenta ou armas. Jogar uma moeda para tomar todas suas decisões, usar um sotaque diferente ou alguma expressão que aprendeu com sua mãe. Ex: O bárbaro odiava montar a cavalo, preferia longas caminhadas e por isso usava um tipo de calçado mais forte, que fazia um barulho bem peculiar. Ele raramente sorria para desconhecidos e franzia a testa como se estivesse com dúvidas, quando na verdade estava premeditando algum perigo.


O Próximo passo…

Você vai perceber depois disso que escrever o background ou adaptar seu personagem para uma ficha (de qualquer sistema) são na verdade processos diferentes, mas no mesmo nível de criação. Com ele desenvolvido na sua essência, qualquer forma de expressa-lo se tornará menos trabalhosa e ainda vai manter o foco no seu caminho como herói (ou vilão).  Existem algumas formas de se aprofundar mais nisso tudo e é o que pretendo falar no próximo post sobre personagens, que vai discutir um pouco a originalidade e os estereótipos.
Esse sistema de criação que apresentei é algo que pode ser resolvido em poucos minutos e sugiro que o faça antes de tudo, muitas vezes ele conterá informações que o narrador pode aproveitar muito bem.  Um background mais elaborado é o ideal para uma boa campanha, mas na falta esses 5 passos podem solucionar grandes problemas. Um exemplo de background é o que estou escrevendo para Rhendal, o bárbaro do RPGcast (vejam aqui).  Não deixem de ver o post sobre como escrever para jogos de tabuleiro, aqui.

Espero que tenham gostado, essas dicas podem ser bastante úteis, se quiserem me contactar podem fazer pelo email talk@alesantos.me ou pelo Twitter clicando no banner abaixo. 



Rpg 7785529934190492835

Postar um comentário

Página inicial item

Entre pra Guilda

Mais lidos da semana

Receba nossos corvos

Curso Online