rpgvale
1599924783602205
Loading...

Mitos e Masmorras #01 - Política (ou a falta de)

Heya, pessoal! Alguns devem lembrar de um projeto paralelo nosso, chamado Mitos e Masmorras . Agora, um bom tempo depois, o proj...


Heya, pessoal!

Alguns devem lembrar de um projeto paralelo nosso, chamado Mitos e Masmorras. Agora, um bom tempo depois, o projeto vai ganhando vida de novo e, enquanto aguardam novidades, vocês podem conferir aqui mesmo a coluna "Mitos e Masmorras", aonde traremos novidades e artigos sobre o mundo do RPG. A coluna ainda não tem dia fixo e nem frequencia definida, mas esperem ver em breve o que estamos preparando para vocês, ok?

Então, prontos para vir comigo e descobrir o que essa masmorra reserva? Como sempre, venham comigo!

Para estreiar essa coluna, escolhi um artigo bastante interessante escrito recentemente pelo já conhecido Monte Cook. A seguir, vocês podem conferir uma parte do artigo, traduzido:

_______________
"Por volta de 13 anos atrás, eu fui chamado de "pinko commie".  Hoje, eu fui chamado de nacionalista e militarista. Então, eu acho que a balança pesou para o outro lado agora.

"Pinko Commie" é um termo usado para denegrir alguém. "Pinko" vem de "Pink" (rosa) e é usado para dizer que alguém simpatiza com o comunismo, mas não é um comunista (por isso ele é "rosa" e não "vermelho"). A expressão também é usada para nomear visões políticas esquerdistas.

Isso apenas interessa porque ambas as vezes, eu fui chamado dessas coisas devido a problemas relacionados aos jogos - e não a conceitos políticos. Eu fui um "pinko commie" por ser parte da equipe de design da 3ª edicação de D&D, que foi a edição pioneira em tomar atitudes para incluir mais ou dois sexos e todas as raças. Hoje eu fui chamado de militarista porque irei doar livros-jogos para as tropas por eu ter alcançado um objetivo em particular com a Campanha Inicial para o meu novo jogo, Numenera.



Por anos, as pessoas tem tentado me arrastar em discussões políticas públicas, e na maioria das vezes eu evitei cair na cilada. Para mim, minhas crenças são pessoas, e não pública, e apesar de serem fortemente acreditadas, e frequentemente postas em prática, eu não acho que o meu papel público como game designer tenha algo com isso.

Assim, realmente me incomoda quando as pessoas tentam transformam problemas não-políticos em políticos. Porque a política divide. Jogos não são lugares para divisões, particularmente as baseadas em problemas do mundo real. Jogos são para serem divertidos. Para fugir e imaginar.



Então, por que eu estou doando livros para as tropas? Bom, primeiro, vamos por as coisas em contexto. Eu tambem estou doando livros para educadores. E a razão para ambos é que esses são os dois grupos que eu ouvi falar que tem mais dificuldade de obter livros e jogar jogos. Educadores querem usar os jogos para ajudar a ensinar aos estudantes todos os tipos de coisas: matemática, escrita, lógica, criatividade e assim por diante. Soldados são diferentes. Eles estão fora de casa, solitários, com tempo de sobra, mas com uma incapacidade real de por as mãos em jogos (eles tambem são frequentemente mal pagos e enviam dinheiro para suas casas para ajudar suas famílias). No final, então, é o mesmo problema: jogadores em necessidade.

(...)

Minha decisão de ajudar algumas pessoas não é sobre política estrangeira, atividades militares ou relações internacionais (minha decisão de ajudar professores não é tambem por política doméstica). Eu não tomo esse tipo de decisão e, mais importante, os soldados que estão longe de casa também não (soldados da minha nação, por sinal - se eu souber de uma base militar Canadense, Inglesa, etc que tenha jogadores, eu tentarei ajudar elas tambem). Honestamente nunca me ocorreu que alguém iria discriminar um jogador em necessidade apenas porque ele ou ela é um soldado.



Parece que tudo continua voltando para o problem da divisão. Por que não podemos sobrepujar as nossas diferenças e sermos apenas "jogadores"? Aquele jogador que é diferente de você - seja por política, raça, gênero, orientação sexual, nacionalidade, ou o que for - ele ou ela ergue a sua espada imaginária da mesma maneira que você."
_______________

E isso nos faz pensar, não?

No exterior, um dos maiores nomes do game design enfrenta problemas por querer distribuir seus livros para soldados. E nós, do lado de cá, fazemos o que?

Não podemos negar que existem coisas bastante interessantes, como a RPGCon, a Rio Play Game, Ludo-eventos, enfim, não faltam mesmo iniciativas que envolvam o mundo dos games - eletrônicos ou de mesa. Entretando, se estudarmos a influência desses eventos, veremos que alguns pouco vibram na internet (ou fora dela).

Não quero apontar o dedo e dizer que é papel da mídia divulgar todo e qualquer evento e não vou dizer que os produtores deveriam enviar o seu material para esse ou aquele blog - ou até mesmo investir em marketing básico. Mas acho que, talvez, todos nós deveríamos repensar o nosso papel e nos perguntar: estamos fazendo a coisa certa pelo nosso hobby? Como eu disse, está longe de mim querer mandar no marketing de uma editora ou no editorial de um blog/revista, mas acho que, no mundo do RPG, ambos os lados deveriam repensar as suas atitudes e, quem sabe, abrir mais as portas. 

É estranho como no mundo do RPG o que falte seja justamente a comunicação, não é?

Acredito que, para todos nós - jornalistas, blogueiros, produtores, escritores, leitores, etc - já passou da hora de entendermos o nosso papel nesse jogo. Não somos jogadores. Não somos guerreiros, bardos, detetives, criaturas míticas. Não somos personagens. 

Somos os mestres.  E é nosso papel manter esse mundo vivo.

Então, senhoras e senhores, abaixem as suas armas. Larguem suas espadas e estendam as mãos. Há eventos de RPG precisando de ajuda. Há pessoas precisando de ajuda. Há um mundo lá fora que precisa de você, exatamente como o mundo imaginário dos nossos jogos precisa da gente. Fica aqui o meu apelo para que, quem sabe, editoras, produtores, jogadores e formadores de opinião repensem as suas atitudes e trabalhem em conjunto pelo crescimento do nosso hobby.

Você vai ficar aí parado?

Cheers!
RPGCON 2200956533474619299
Página inicial item

Entre pra Guilda

Mais lidos da semana

Receba nossos corvos