rpgvale
1599924783602205
Loading...

Game Over #05 - Especial Carnaval

Hey, folks! Curtiram o carnaval (no facebook)? Pegaram todos (os achievements)? Beberam muito (poções)?  Certo. Ok, eu mesmo se...



Hey, folks!

Curtiram o carnaval (no facebook)? Pegaram todos (os achievements)? Beberam muito (poções)? 

Certo. Ok, eu mesmo sei onde fica a saída. Podem parar de apontar a porta pra mim agora. Obrigado.

Bom, a Game Over de hoje vai ser meio diferente. Vamos falar de uma coisa bem triste que, infelizmente, ainda vemos muito por aí: preconceito. E não, não to falando de preconceito in-game, mas o preconceito na vida real, que afeta os games. 

Curiosos? Vem comigo!


Esses dias, um grupo de trolls desocupados sem noção resolveu atacar uma roteirista da Bioware, via twitter. O motivo? Ela é mulher. Bom, er, pois é. Dá pra ser mais idiota? 

O grande Jim Sterling, editor do Destructoid, fez um senhor artigo sobre o assunto, mas em inglês. Como nem todo mundo por aqui é fluente em inglês, eu reproduzo o artigo aqui, na íntegra, traduzido. Se liguem:

"Jennifer Hepler é odiada pelas pessoas na internet, como o leitor Ben recentemente nos informou. Isso não é incomum, uma vez que existem poucas pessoas públicas que não sejam odiadas por uma parcela significante da população online. Entretanto, quando você considera o que a Hepler dez – ou não fez – é certamente um mistério o porquê de ela ser tratada com uma raiva tão pura e sem limites. Ela roteirizou Dragon Age e Star Wars: The Old Republic.

Hepler é escritora da Bioware e acordou um dia e descobriu que a internet a odiava. Um número de comunidades online recentemente começou a falar mal dela, acusando-a de “estragar” os jogos da Bioware com seus roteiros. Ela também foi acusada por ter admitido que ela não gosta de jogar jogos – certamente um pré-requisito se o seu trabalho é criar narrativas (sarcasmo).

De longe, o seu maior “crime” foi sugerir que os jogos devem permitir que o jogador pule o combate, dizendo: “Os jogos quase sempre incluem uma maneira de “pular” o diálogo sem prestar atenção, porque eles entendem que alguns jogadores não gostam de ouvir o diálogo e não querem que esses jogadores parem de se divertir. Ainda assim, eles insistem em praticamente entrar na sua sala e te forçar a participar de combates mesmo que você sejam o tipo de jogador que só gosta dos diálogos”.

Quer você concorde ou discorde, não é como se ela tivesse cortado o tendão de Aquiles de uma criança com uma faca enferrujada. Ainda assim, entretanto, essa é a internet.

Tudo veio a tona alguns dias atrás. Hepler decidiu entrar pro Twitter, mas com apenas 14 tweets ela já tinha pedido ajuda para deletar sua conta. Parece que os gamers sentiram o cheiro da presença dela no Twitter, e a merda começou.

Centenas de mensagens foram enviadas para Hepler, como uma simples busca no Twitter mostra. Muitos optaram por atacar sua escrita e sua habilidade para fazer personagens. Um grande número focou na aparência física dela, optando por chama-la de nomes maravilhosos como “vaca gorda” e “prostituta obesa”. Alguns queriam saber porque ela é tão “obcecada por enfiar relacionamentos homossexuais garganta abaixo dos jogadores”.

A pobre Hepler não ajudou exatamente o seu caso, dizendo publicamente: “Eu acho que eles estão com inveja porque eu tenho um trabalho na indústria dos games E uma vagina, e eles não conseguem nenhum dos dois”. Infelizmente, isso abriu portas para mais comentários desagradáveis, porque todo mundo sabe que você não pode se defender na internet – especialmente se você mencionar ter uma vagina.

Tudo pareceu atingir o seu ápice quando o GM Aaryn Flynn se envolveu. Após um usuário chamar Hepler de “o câncer que está matando a Bioware”, Flynn o chamou de um “puta idiota”. Então agora a Bioware é acusada de tratar seus clientes desrespeitosamente, e o idiota em questão está numa cruzada para mostrar os seus sentimentos feridos. Ignore o fato de que foi ele que começou os insultos na conversa.

Porque é isso que os gamers fazem, se é que dá pra acreditar nisso. Atacam indivíduos em massa, esquecendo de que eles SÃO pessoa, e depois agem como se fosse traídos quando suas vítimas tem pulso para morder de volta. Está tudo bem esperar uma “conduta profissional” de um desenvolvedor quando um cliente fica nervoso, mas quando qualquer um está sendo demolido por uma tsunami de abusos, eu não acho que haja qualquer expectativa que torne inaceitável que o profissional perca o controle e diga algo de volta.

É o cúmulo acreditar que você pode dizer o que quiser, tão ofensivo quanto quiser, e esperar nem uma palavra de volta. Esses gamers agora agem com dor de cotovelo porque o Flynn e a Hepler responderam aos seus abusos estão sendo o máximo de cretinos e patéticos que dá pra ser. O fato disso envolver a Bioware – um estúdio conhecido por fazer jogos mais ADULTOS – torna tudo ainda mais triste.

Quer você goste da Hepler ou não (eu não sou fã da maioria dos roteiros da Bioware, ponto), esse nível de tratamento com uma pessoa nunca é justificável, e deveria deixar a comunidade de gamers completamente envergonhada de si mesma. Esse é o tipo de comportamento que justifica o estereótipo da Fox News: games são nerds, antissociais, que moram em porões. Esse é o tipo de comportamento que torna o Spike VGA o programa perfeito de jogos – porque é estúpido, imaturo e tem a profundidade emocional de um guardanapo. É assim que os gamers parecem quando algo assim acontece.

E sabe de uma coisa? Ter uma vagina e um trabalho na indústria de games é bem legal. Eu mesmo estou com inveja.”
E vocês, gamers brasileiros? O que pensam sobre isso? Comentem aqui, me gritem no twitter ou simplesmente mostrem no dia-a-dia que gamers podem - e são - muito melhores que isso aí.

E quer saber? Concordo com o Jim. Também sinto inveja dela.

See ya!

E fica aqui meus agradecimentos ao Amer, que me chamou a atenção pro fato no twitter dele, mesmo sem ele saber. Btw, poucas pessoas fazem um review de games como esse cara.
game over 9154040433384408757
Página inicial item

Entre pra Guilda

Mais lidos da semana

Receba nossos corvos