rpgvale
1599924783602205
Loading...

Criando Seriados de RPG: Horror #haloweenroleplayer

É incrível como multiplicou o número de sites da net ensinando tudo sobre RPG, não é verdade? Eu acho isso ótimo, afinal RPG é meu hob...



É incrível como multiplicou o número de sites da net ensinando tudo sobre RPG, não é verdade? Eu acho isso ótimo, afinal RPG é meu hobby favorito e algo que vivo no dia a dia por quase 30 anos (mas não espalhem, ok?).

Hoje vou ensinar para vocês como criar um verdadeiro seriado de televisão de RPG.
Mas o que diabos seria um seriado de televisão de RPG, certo?
Bem, todo RPG possui um cenário, certo? Temos vários no mercado, eu mesmo traduzi alguns deles, como Forgotten Realms para o D&D 4a. edição. E todo sessão de RPG pode se tornar uma CAMPANHA de RPG, que nada mais é do que várias sessões de jogo ligadas que levam até um FINAL MAIOR E GRANDIOSO, certo?
Pois bem, e se pudéssemos criar várias sessões de RPG baseadas em nosso seriado de televisão favorito? Seria fantástico, certo?
Pensando nisso, eu resolvi ensinar como criar uma campanha de RPG nos moldes dos roteiros de seriados de televisão. E não estou falando somente da ligação entre sessões de jogo (ou episódios), mas falo também dos jogos de câmera, da trilha sonora, da escolha do elenco. Ufa, vai ser uma jornada, acompanhem comigo.
 Passo 1 - Escolher o Tema
supernatural1

Esse passo é o mais importante, afinal, seus jogadores vão ter que AMAR o que estiverem fazendo durante as sessões de jogo. Nesse caso, os jogadores passam a ser chamados de ATORES, ou de ELENCO. Para efeito, vamos escolher um seriado que eu (sou suspeito em falar) adoro que é SUPERNATURAL. Para quem já conhece, sabe que o seriado é CHEIO de cenas que cairiam muito bem em uma mesa de RPG. A dinânica entre os irmãos Winchester é lendária e eles enfrentam muitos monstros e perigos em todos os episódios. Ou seja, nosso tema de hoje vai ser HORROR.
Passo 2 - Escolher o Sistema
Para quem não sabe, SISTEMA de RPG é o conjunto de regras inseridas em um TEMA para impedir que os ATORES que participam do episódio se espanquem na vida real tentando decidir quem acertou quem num tiroteio. Mas sistema vai além disso, ele determina que tipos de teste o ator deve fazer para conseguir arrombar uma porta, acertar aquele soco bem dado na cara do valentão do bar (e sempre existe um, né?) ou para encantar (leia-se XAVECAR) a jovem herdeira da Mansão Cartright.
Para esse artigo, vamos escolher o Sistema Cortex, publicado pela Editora Margaret Weis. Eu escolhi esse sistema porque EU O TENHO, mas é bem simples adaptar o seriado Supernatural para qualquer sistema que dê ênfase ao HORROR, por mais indie que ele seja.
Passo 3 - Escolher o Elenco
Ah, essa parte é uma das mais importantes. PARA QUEM você vai mestrar seu seriado de RPG?
Mas, a escolha dos jogadores para seu seriado não é a única que você deverá fazer na criação de seu seriado. A outra é a escolha dos ATORES REAIS que farão parte do seu seriado de RPG. Díficil? Explico. Todo livro de RPG de seriados (Supernatural, Stargate SG-1, Buffy the Vampire Slayer, Farscape, Smallville só para mencionar alguns!) dá a dica da escolha de atores celebridades (as imagens deles) para serem os personagens de seu seriado de RPG. Exemplo: se você quer no seu seriado um cara grandão, forte, brigão, meia idade, que não leva desaforo para casa e TEM UMA HARLEY DAVIDSON, porque não escolher o Paul Senior (do seriado American Chopper) como a imagem desse personagem? Ela casa perfeitamente com ele e quando o jogador tiver que interpretar seu gênio estourado, ele pode assistir uns 15 minutos do seriado e ele já vai entender perfeitamente o que é ser PAUL SENIOR. Ou, por outro lado, se você quer no seu seriado uma belíssima jovem indefesa, porque não escolher Amanda Seyfried como essa jovem? A jogadora (ou jogador) que a escolher terá MUITO material dela sendo jovem e indefesa, o que facilita a interpretação durante o SEU seriado. Entendido agora? A escolha do elenco é realmente muito importante, especialmente se o TEMA do seriado não se encaixa no perfil da celebridade escolhida para ser um personagem seu. É bem fácil perceber, acho que todos já viram um ou outro ator de Hollywood que não se encaixa num tema de filme ou seriado (imagine o Sheldon do The Big Bang Theory sendo herói de um filme de Ação SEM SER COMÉDIA estilo Johnny English). Pois é, nem eu. E avisem aos jogadores que as personagens femininas nem sempre devem ser Angelina Jolie ou Megan Fox. E avise também que, como num seriado de TV, nem todos os personagens terão foco e atenção em todos os episódios. Isso é algo bom especialmente se você tem jogadores que FALTAM demais em suas sessões de jogo. A ideia é simples: jogadores não presentes terão seus personagens FORA do episódio e recebem somente metade do XP (porque os nomes das celebridades que eles escolheram aparecem nos créditos do SEU SERIADO, certo?).
Passo 4 - Escolher o Cenário
A escolha do cenário é bem simples: onde o seriado vai se passar? No Canadá e fingindo ser os EUA? Nos EUA, mas numa região mais chegada ao lado mexicano de ser (meio oeste, Texas e Novo México). Ou quem sabe no BRASIL? Com seus personagens caçando o saci-pererê ou perdidos na Mata Atlântica por causa do Curupíra. Fazer um seriado fora do eixo EUA-Canadá implica na escolha de outras celebridades para dar mais credibilidade, mas eu consigo imaginar o Rodrigo Santoro caçando fantasmas de boa, e vocês?
A outra fase da escolha do cenário é a ÉPOCA. QUANDO vai ser seu seriado? Atual? 10 anos no passado? É uma decisão muito importante, porque se você NÃO MANJA de história, pode acabar colocando um NPC com um tablet em 1984, o que seria muito ruim. Na vida real, MUITOS seriados de TV foram cancelados por serem nadinha CRÍVEIS, e seus jogadores esperam isso de você. Então, acho que se for dar muito trabalho, fique no tempo real, com flashbacks ocasionais (mas devem ser flashbacks BEM PREPARADOS para todos acreditarem!). Além de tudo isso, existe o fato de que você está criando um SERIADO DE TELEVISÃO DE RPG, ou seja, episódios não precisam continuar onde eles pararam (exceto pelos episódios que você sagazmente coloca um "TO BE CONTINUED" no final, ou usa a voz do locutor do Arquivo X e diz CONTINUA NO PRÓXIMO EPISÓDIO). Tudo que os jogadores precisam saber para continuar pode ser dito e explicado por você (claro, sem revelar segredos, especialmente quando um personagem falhou num teste!).
Passo 5 - Duração da Temporada
Essa é simples! Você se considera um JJ Abrams para criar um seriado de RPG com VINTE E DOIS episódios? Antes de responder SIM, entenda o seguinte: VAI SER IMPOSSÍVEL utilizar uma sessão de jogo para cada episódio do jeitinho certo que deve ser. Provavelmente você vai levar de 3 a 5 sessões de jogo para cada episódio (se seguir todos os passos aqui) o que pode ser ASSUSTADOR para sua pessoa e para os jogadores. FAça as contas de quantos finais de semana você vai precisar para acabar a 1a. temporada de seu seriado... Na dúvida, faça como os grandes: HBO adora criar seriados com 10, 12 episódios (True Blood é um bom exemplo de sucesso) e todos amam assim. E Walking Dead teve SEIS episódios na 1a. temporada e todos piraram querendo mais, certo? A duração da temporada já deve ser explicada para os participantes desde o primeiro dia (criação de personagens) e todos devem estar cientes de que nem todos vão participar de todos os episódios (veja o Passo 3).
Passo 6 - Episódio Piloto
Minha Nossa Senhora dos Diretores de Filmes, o episódio piloto (chamado a partir de agora de PILOTO) é o carro chefe dos seriados de televisão. O piloto é o que os executivos da Fox recusam quando assistem, impedindo a criação de um seriado. Isso acontece com os jogadores também: se os jogadores não gostarem do piloto, ADEUS seu seriado de RPG. Se isso acontecer, não se desespere, faça uma pesquisa de opinião (como em Hollywood) e recrie o seriado como ELES querem que seja, criando um outro episódio piloto. O piloto deve ser pensado MUITO antes de ser filmado (er, ser jogado em sessões de RPG). Uma boa ideia é terminar o episódio piloto de uma maneira tão FANTASTICAMENTE FANTÁSTICA que os jogadores queiram bater em você por parar a sessão de jogo (história verídica, perguntem-me num barzinho que eu conto!). O piloto tem que ser algo magistral, algo que TODOS falem dele a semana toda, pela internet, telefone e ao vivo. Eles devem contar o piloto para outros amigos como se fosse um episodio de um seriado novo que assitiram e PIRARAM.
Passo 7 - Trilha Sonora
Todo Mestre de RPG usa trilha sonora durante suas sessões de jogo. Mas MUITOS usam errado! Não é uma crítica, é uma observação construtiva. A trilha sonora em LOOP no fundo da sala não causa o mesmo impacto que AQUELA trilha sonora de 3 segundos NAQUELE momento certo. Que tal colocar sons de portas rangendo, água pingando, vento uivando e passos estranhos ecoando pelo caminho? Existem vários sites da web que fornecem sons de efeitos especiais gratuitamente (ou seja, não é pirataria!). Mas nem só de SOUD FX vive um seriado, você precisa ter MÚSICA. O seriado Supernatural acertou em cheio vitaminando o Impalinha do Dean Winchester com o melhor do rock anos 70 e 80. Mas não foi o pioneiro: antes dele o seriado Buffy The Vampire Slayer já fazia isso com as bandas famosas tocando dentro do BRONZE. Ou seja, MÚSICA famosa é dica de sucesso em seu seriado. Tanto é que, se você criar uma seleção de músicas que todos gostem, seus jogadores vão andar pelas ruas ouvindo A TRILHA SONORA DO SEU SERIADO, e isso significa que você está fazendo um bom trabalho, kemosabe. Escolha músicas que têm tudo a ver com o tema. No caso desse artigo, com o tema HORROR, uma boa escolha é ROCK na VEIA, se for fazer um lado mais ESTRADA de seu seriado (como no Supernatural), mas pode ser algo mais urbano, como bandas góticas e rock mais melodioso (como Blind Guardian, Evanescence, ou até Siouxsie & the Banshees e Dead Can Dance). A escolha é sua, baseada sempre no que seus jogadores gostam de ouvir.
Outra parte importante da trilha sonora é que CADA PERSONAGEM-JOGADOR deve ter uma música para si, algo que o defina e que quando todos a ouçam imediatamente relembrem do sujeito. As novelas da Globo fazem muito isso, mas fique sossegado: elas não COMEçARAM isso, toda novela da Globo é copiada de uma novela americana, sendo DALLAS e Days of Our Lives os modelos-padrões de copia. Ou seja, você pode não ser pioneiro nisso, mas a culpa não é sua se a Globo IMITA VOcê, certo?
Passo 8 - Câmera e Ação
Todo episódio do seriado de Buffy The Vampire Slayer foi dirigido por Joss Whedon, certo? Não, errado. Ás vezes num seriado, são escolhidos de 2 a 5 diretores (com estilos de direção diferente) para um seriado de televisão. Isso pode ser feito no SEU SERIADO de RPG. Não estou falando em trocar os Mestres (o que seria batuta também!) e sim trocar o ESTILO DE DIREÇÃO. Deixe que seu jogadores se acostumem com o seu modo de criar os atos dos episódios (cada episódio tem de 3 a 5 ATOS, que são as partes do episódio. Entre um ato e outro existem os comerciais de TV). Cada ato pode durar horas de sessão de jogo ou dias de sessão de jogo (esse é meu método preferido, o que estica um episódio em 3 ou 4 dias de sessão de jogo, EXCETO pelo PILOTO!). As pausas comerciais dos episódios podem ser usadas para comer, beber, banheiro e dúvidas (se o episódio vai durar horas) ou para arrumar personagens, presentear XP (como em todo RPG no final da sessão de jogo) e para deixar os jogadores DOIDOS querendo mais com a demora da semana em passar.
Cada diretor de seriado, como JJ Abrams, Joss Shedon, Chris Carter (do Arquivo X) tem seu estilo próprio de foco de câmera e desenrolar de história. Espero que vocês não escolham Stanley Kubrick como modelo, porque seu seriado terá HORAS de cenas com câmeras paraaaaaadas (e se bobear, um molólito!). E que os deuses livrem seus jogadores se você decidir dirigir seu seriado como Martin Scorcese, onde todo mundo morre no final né? Brincadeira a parte, a ideia é colocar o SEU estilo de mestrar RPG em um patamar nunca antes utilizado. Utilize narrações com jogo de câmera, ande de um lado para o outro para mostrar o que os jogadores estão vendo, ou quando eles assistem a uma CUT SCENE (o videozinho que é impossível de se dar ESC quando estamos jogando algo no PC ou no console. Ele faz parte da história e deve ser assistido, os jogadores não podem interromper uma cut scene, somente assistir o que o Diretor descreve, ok?). Utilize frases típicas de seriado de TV como Fade In (quando a imagem abre e sai do preto), Fade to Black (quando a imagem escurece e tudo para. Indicado para suspense ou  para acabar Atos). Ou seja, COM O TEMPO (e com pesquisa em filmes e seriados) você vai aumentar o seu vocabulário de Cinema e deixar seus episódios cada vez mais profissionais e intrigantes (entre outros adjetivos positivos!) Eu mesmo tenho um estilo de direção de seriado de RPG criado com uma mistura de Joss Whedon com J. Michael Straczynski, pitadas de Chris Cartes (na trilha sonora). São diretores e roteiristas que admiro e resolvi passar isso para minhas sessões de jogo. Para entender, só assistindo aos seriados de cada um deles. Mas, nada me impede de criar um episódio TRIPLO (ou seja 15 sessões de RPG!) especial de final de ano, com estilo IGUAL AO DE QUENTIN TARANTINO (esse episódio está pronto e meus jogadores estão morrendo de medo dele, por que será?), entenda como quiser.
Preste atenção nos seriados que você gosta, a chance de já existir um estilo de direção em você é bem grande.
Para dar ênfase, vou criar agora uma ficha de dados (como os seriados o fazem) sobre um seriado de RPG que crie já baseado no seriado Supernatural. Trata-se de um spin off (um seriado que se origina de outro famoso!), sem fins lucrativos (pode ser visto aqui THE HUNTING e na fan page feita pelos jogadores no Facebook).
supernatural2

 

Sinopse

(o resumo do seriado, o que vai ser entregue nas mãos de um executivo de canal de séries):
No meu caso, o seriado The Hunting fala sobre vingança e desespero. Ele focaliza a vida de duas jovens caçadoras de monstros, chamadas Beatrice "BA" Anderson, interpretada por Jessica Biel (na fase Blade Trinity) e pela NERD sensitiva Ashley Hendricks, interpretada por Ashley Greene (a Alice do Crepúsculo ao natural). As duas jovens viajam de cidade de cidade matando monstros e afins. Bem parecido com Supernatural, mas ao mesmo tempo não. Basta ler os episódios no site para ver a diferença.
Esse é a sinopse. Seguindo o fichamento.

Elenco

Fixo: Jessica Biel, Ashley Greene
Elenco de Apoio: Misha Collins (no papel do receptáculo do anjo Castiel, ele é a ligação do meu seriado com o original), Jim Beaver (o Bob Singer do Supernatural. Afinal ele não cuida somente dos Winchesters e toda a Rede de Caçadores parece conhecê-lo, certo?)
Temporada: 22 episódios, sendo 4 temáticos (a 1a. temporada tem até agora 10 episódios, 1 deles sendo especial de halloween, 1 de natal e um de dia dos namorados macabro [e seria diferente?]). Ou seja, 22 episódios!!! 2012 vem ai.
Tema: Horror - psicológico (como horrores pessoais, explorando os defeitos dos personagens), real (como monstros que machucam de verdade) e mistério (com investigação com FOCO no horror, ou seja sustos a qualquer momento).
Trilha Sonora: Praticamente a mesma de Supernatural, mas puxando para o lado mais feminino do Rock anos 70 e 80 (com Blondie, Shakeaspeare Sisters, Avantasia e por aí vai) para demonstrar o foco diferenciado do seriado, que é o ponto de vista de mulheres que caçam monstros (que normalmente as fariam sair gritando e segurando seus cabelos).
Cenário: Estados Unidos (quanto mais obscura a cidade, melhor).

Atores Convidados

Jensen Ackles, Jared Padalecki (Dean & Sam Winchester já apareceram para dar uma mãozinho no epísódio especial de Halloween The Three Witches), Ron Pearlman (o Hellboy, fazendo um agente do FBI linha dura que persegue as meninas), Billy Zane (esse é spoiler, elas ainda não encontraram com ele hehehe) e Amy Acker (fazendo a mesma personagem que ela fez no Supernatural, causando auvoroço ao ligar os episódios).

Estamos conversados? Alguma dúvida sobre os tópicos? Basta mandar seus comentários para o site e eu tentarei esclarecer. É realmente uma mudança grande trocar completamente o modo como se mestra uma sessão de RPG, mas tentem e verão que é algo bem contagiante e que está em toda a parte: todo mundo que joga RPG gosta ou ADORA filmes e seriados e se puderem JOGAR seu seriado favorito, a experiência poderá ser muito mais enriquecedora.
Vida Longa e Próspera,
Página inicial item

Entre pra Guilda

Mais lidos da semana

Receba nossos corvos