rpgvale
1599924783602205
Loading...

Decisivo e Crítico #10 Alguns motivos para não ler ou ver a saga Crepúsculo

Eu relutei em não escrever alguma coisa sobre essa série aqui no blog, mas não tem como... Crepúsculo tomou conta do imaginário de uma gale...


Eu relutei em não escrever alguma coisa sobre essa série aqui no blog, mas não tem como... Crepúsculo tomou conta do imaginário de uma galera sem conhecimentos gerais sobre fantasia e seres fantásticos. Não vou entrar no mérito de comentar sobre o perfil psicológio dos leitores pois o Felipe Neto mandou muito bem com isso, mas vamos falar mais sobre esses tais vampiros brilhantes.
Existem várias lendas de lugares remotos e distintos que falam sobre origem de vampiros. Algumas gregas, outras vindas da Transilvânia e tem ainda adaptações chinesas das lendas. Em cada uma delas podem-se observar várias características, inclusive no cinema.

O Vampiro do Eddie Murphy ( Um Vampiro no Brooklin) sofreu mais a influência grega, vinda da origem dos Lobisomens (filhos de Licaion). Pode-se observar que ele consegue, inclusive, se transformar em um lobo. Há também o Nosferatu, um vampiro monstruoso clássico, que perdeu completamente a sua humanidade e vive nas sombras, mas além dessa forma o Drácula é o perfil mais explorado pelas histórias. Geralmente muito culto e galante, sedutor e com boa aparência - apesar de pálida.


Mas em todos os perfis de vampiros uma linha de coerência é mantida, os Vampiros ainda são seres das trevas, com a única finalidade de obter prazer. Eles se organizam em famílias e tem uma sociedade evoluída com regras e arte. O mais importante é que são inimigos mortais de Lobisomens.
Não existe conversa, é porrada e sangue em todas as páginas do livro ou minutos da cena em que dois desses seres estejam ao mesmo tempo. Além disso Lobisomens tem mais o que fazer do que formarem um grupo de fisicotulristas e passear por aí sem camiseta - principalmente para não dar pinta de que são lobisomens.
Existem dezenas de ótimas referências cinematográficas desses seres como “Um lobisomen americano em Paris” e Underworld, anjos da noite- Sem contar o Lobisomen mais famoso do cinema que ganhou remake ano passado.. Mas se tratando de Vampiros, um filme que representa muito bem (mesmo) todo esse universo sombrio dos chupadores de sangue é o Entrevista com um Vampiro - com o Brad Pitt bancando um transformado inconformado com a pós-morte. Junto com o Drácula de Bram Stoker, esse filme forma as maiores obras vampirescas holywoodianas, no meu conceito.


O problema é que a autora, desconsidera tudo isso ao escrever os seus livros e o que me deixa doido é o fato de toda garota que encontro que é fã dessa séria Crepúsculo, não conhece a fundo nenhuma dessas obras citadas acima. Vai ver esse tipo de leitor não tem interesse em buscar referências e preferem focar a atenção no romance conturbado da garota nonsense. O Fato de vampiros brilhar no sol destrói tudo que se entende dessa raça anteriormente e a única origem racional para a autora ter inventado isso é o humorista morto Jorge Lafon, afinal ele sempre dizia “Bicha não morre, vira purpurina”. No caso adaptaram para a série: “Bicha não morre, vira vampiro e brilha no sol, cheio de glamour!
decisivo e crítico 2474791630075482730

Postar um comentário

Página inicial item

Entre pra Guilda

Mais lidos da semana

Receba nossos corvos