rpgvale
1599924783602205
Loading...

RPG Vale, agora Ao Sugo

Um blog se mantem forte graças as parcerias que conquista. Para sempre levar um bom material aos leitores e conquistar cada vez mais espa...

Um blog se mantem forte graças as parcerias que conquista.



Para sempre levar um bom material aos leitores e conquistar cada vez mais espaço na blogosfera nossa equipe se mantém atenta as oportunidades (boas) que surgem por aí. Hoje foi um dia desses que conseguimos mais um grande amigo nessa empreitada pela web: O Blog Ao Sugo. Vamos deixar eles se apresentarem.

Olá, caros leitores do RPG Vale e do Ao Sugo. Quem vos escreve é um nerd velho e Mestre de RPG há muitos anos. Entrei nessa de “Jogo de Interpretação de Papéis” da maneira como muitos aqui entraram, assistindo o desenho Caverna do Dragão nas manhãs globais em busca do episódio final. Meu desenho animado predileto. Sem querer incitar o ódio dos leitores brazucas, sempre preferi esse papo de Fantasia Medieval, dragões e o resgate da princesa na torre do castelo do que as aventuras de Emília no Sítio do Pica Pau Amarelo. Um nerd vendido ao imaginário europeu e norte-americano? É, eu sei, réu confesso.

Residente no interior de São Paulo, pouco sabíamos aqui dos livros-jogo de aventuras-solo do Steve Jackson (não, não to falando do criador do GURPS) ou do que a molecada fazia nos Estados Unidos. Mas quando eu descobri que esse desenho animado de cavaleiros, magos, bárbaros e dragões foi baseado em um tal de jogo de RPG-alguma coisa, não demorou muito para rumar à livraria mais próxima em busca de cartolinas, canetinhas, tesouras e afins.

Demorou um tempo. Algumas horas, eu diria. Inventei lá um tabuleiro flexível que pudesse mudar de acordo com as historietas que criava. E como não possuía os dados esquisitos do RPG (na verdade eu nem sabia que existiam), bolei um sistema de cartas com orcs e dragões e sei lá mais o que. Burro talvez por ignorar os dados de 6 faces que vinham em qualquer jogo de tabuleiro da época, ok, mas o sistema das cartas parecia muito mais legal. Parecia coisa de RPG. O jogo em si não estimulava um roleplay legítimo, mas sanava a minha vontade de conhecer o jogo até a minha volta para a capital paulista.

Fui para São Paulo e pedi para minha avó me levar numa livraria obscura que ficava numa travessa da Ipiranga. Tudo bem que é uma releitura de um adolescente na época, mas a livraria parecia perdida no meio da viela assim como o Caldeirão Furado do Harry Potter no meio de Londres. Entrei no lugar e batata, comprei a caixa do Dungeons & Dragons da Grow, mais aquele Classic Dungeon para o meu irmão.

Óbvio que voltei de São Paulo com a vida mudada. Mas foi assim que começou. Naquela época em que ainda não existia internet (e jogadores de RPG), foi de vital importância as revistas especializadas que nos traziam dicas para mestres e jogadores novatos. Lá nós tínhamos a chance de conhecer mais sobre um tema fantástico assim como vocês leitores conhecem por aqui nas colunas do RPG Vale.

Descobriria posteriormente que o meu amigo e co-editor do Ao Sugo passaria por experiências semelhantes no mundo do RPG. Eu como Mestre e ele como Jogador, uma amizade que já dura 20 anos (e ainda mestrando e jogando, lógico). Criamos o Ao Sugo como uma brincadeira. Um exercício literário talvez. Pelos gostos que possuímos em comum como o pela escrita, inventamos aquele blog maluco com um jogo de cores cegante, eu sei. Não começamos falando sobre RPG, mas demos prioridade a vários artigos cujo tema era Fantasia, os textos mais lidos do Ao Sugo até hoje. Com uma forte veia nerd, lá nós falamos de quadrinhos, cinema, ficção científica e tudo mais que um nerd gostaria de falar.

O RPG rapidamente ganharia algumas páginas, trazendo as nossas experiências e impressões do jogo de antes e de hoje para nossos leitores. Lá deu pra ser saudosista, contar sobre a nossa entrada no mundo do roleplay e até falar mal dos tipos de jogadores que não se comportam na mesa de jogo. Achamos legal debater sobre problemas encontrados nas partidas, pensar em soluções para mestres novatos, etc, tudo o que não tínhamos quando começamos no RPG. Hoje possuímos uma seção voltada aos rpgzistas de plantão, a Taverna Dano Crítico, compilando assim alguns dos artigos que fizemos nestes 2 anos de Ao Sugo.

Não somos do Vale da Paraíba e nem o nosso blog é inteiramente dedicado ao RPG. Mas é com uma imensa satisfação que anuncio aqui a parceria do Ao Sugo com o RPG Vale, obrigado. Com esta parceria esperamos assim enriquecer a quantidade de artigos sobre RPG na internet brasileira, trazendo aqui as visões de um mestre e um jogador que adoram o tal do roleplay. E como a cereja no topo do sundae, sendo editores de um blog nerd, não poderíamos deixar de ficar mais satisfeitos com a entrada de um blog dedicado ao roleplay, tendo agora o RPG Vale como parceiro. Como diria Darth Vader, “… and now the circle is complete”.

É óbvio que a partir de agora alguma coisa vai mudar. Primeiramente nossos followers no Twitter vão pirar ou ficar revoltadíssimos com os 1583 tweets que lançaremos sobre essa parceria. Bem, faz parte do negócio, como contar para todos na família sobre o nascimento de uma nova criança (com sorte, nerd e rpgzista). Nesse ínterim, aguardamos vocês no Ao Sugo, comentando, elogiando, reclamando e pedindo para parar com os 1583 tweets. Mas não se esqueçam de dar uma passadinha lá pela nossa Taverna, afinal, hoje temos RPG Vale Ao Sugo. Muito prazer.

Victor Hugo
Editor do Ao Sugo
Rpg 5818297520566679528

Postar um comentário

Página inicial item

Entre pra Guilda

Mais lidos da semana

Receba nossos corvos